Abelhas e agricultura

 

Dependendo do tipo de plantação, uma colméia, com cerca de 60 000 abelhas, faz pelo menos 1,5 milhão de visitas coletivas às flores em busca da saborosa solução de água, açúcar e sais minerais do néctar, usado para produzir mel e enfrentar o inverno.

Nesse vai e vem, elas levam outra riqueza: grãos de pólen, que as flores depositam estrategicamente em pequenas hastes, chamadas anteras, para lambuzar as visitantes. Carregadas com o precioso produto, voam de flor em flor, espalhando os grãos da fecundidade. As abelhas também se aproveitam desse alimento, rico em proteínas, para abastecer suas larvas. Já os apicultores, sobretudo na Europa, vendem o pólen em tabletes doces com preço amargo para atletas ou chefes de cozinha, que o empregam como tempero.

Mas não é só a busca frenética do néctar ou do pólen que faz das abelhas melhores polinizadoras do que borboletas, besouros ou moscas. Elas vencem os rivais em eficiência por uma outra característica, batizada pelos cientistas de "fidelidade alimentícia". Enquanto a borboleta abandona facilmente um laranjal para se embrenhar no mato atrás de flores silvestres, a abelha só deixa a plantação quando não há mais flores a visitar.


Pesquisas feitas na Unesp de Jaboticabal provaram que a produção de laranjas pode crescer em 30% com ajuda dessas laboriosas trabalhadoras. A experiência é simples. Na florada, em setembro, as colméias são espalhadas pelo pomar. Metade das laranjeiras, porém, é envolta por telas e, no final do verão, com as árvores carregadas, as frutas são contadas para medir a produtividade em cada lado. "Além do aumento da quantidade, a qualidade das frutas melhora", acrescenta a professora e pesquisadora Regina Helena, de Jaboticabal. As laranjas da Unesp, por exemplo, ficaram 10% maiores e com mais 20% de vitamina C graças às persistentes caçadoras de néctar, que fecundam o máximo possível de óvulos na flor e fazem com que o fruto se desenvolva por inteiro. Quando o agente polinizador é o vento ou são insetos mais preguiçosos, isso fica difícil.

Nos Estados Unidos, o recurso às abelhas é tão intenso que, só na Califórnia, existem cerca de 1,4 milhão de caixas como são chamadas as colméias artificiais espalhadas entre laranjais e outras culturas. "É mais do que toda a população de Apis no Brasil", compara Helmuth Wiese, autor de vários livros sobre o assunto e presidente da Confederação dos Apicultores de Santa Catarina, o Estado com maior número desses profissionais empenhados na polinização.
Em 1984, Wiese participou de uma experiência que elevou em 50% a produção de maçãs catarinense. Desde então, houve uma adesão em massa à apicultura e hoje existem mais de 50 000 colméias de aluguel só em Fraiburgo. Os catarinenses detêm a liderança disparada na cultura de maçãs, com 217 000 toneladas em 1991, quase o triplo dos vizinhos gaúchos, responsáveis por 85 000 toneladas. "O problema dos agricultores de outros Estados é que eles não percebem que é possível usar abelhas sem risco", diz Wiese.
O risco a que ele se refere são as dolorosas picadas que elas distribuem quando molestadas

Texto retirado da revista "Superinteressante" setembro de 1992

 

 
   

 

 

 

 

 

Voltar